segunda-feira, 9 de maio de 2011

Para refletir


Conta a história que, em 1994, houve uma competição entre as equipes de remo do Brasil e do Japão. Logo no início da competição, a equipe japonesa começou a distanciar-se e completou o percurso rapidamente. A equipe brasileira chegou à meta com uma hora de atraso.

De volta ao Brasil, o Comitê Executivo se reuniu para avaliar as causas de tão desastroso e imprevisto resultado e concluiu:

1) A equipe japonesa era formada por um Chefe de Equipe e 10 remadores.
2) A equipe brasileira era formada por um remador e 10 Chefes de Equipe.

A decisão passou para a esfera do Planejamento Estratégico com vistas a realizar uma séria reestruturação da equipe para o ano seguinte.

Em 1995, logo após a largada da competição, a equipe japonesa logo distanciou-se e, desta vez, a equipe brasileira chegou à meta com duas horas de atraso.

Uma nova análise das causas do fracasso mostrou os seguintes resultados:

1) A equipe japonesa continuava com um Chefe de Equipe e 10 remadores.
2) A equipe brasileira, após as mudanças introduzidas pelo pessoal do Planejamento Estratégico, era formada por:

* Um Chefe de Equipe
* Dois Assessores de Chefia
* Sete Chefes de Departamento
* Um remador

A conclusão do Comitê que analisou as causas do novo fracasso foi unânime : O REMADOR É UM INCOMPETENTE !!!

Em 1996, uma nova oportunidade de competir com os japoneses se apresentou.
O Departamento de Tecnologias e Negócios do Brasil pôs em prática um plano destinado a melhorar a produtividade da equipe, com a introdução de mudanças baseadas na nova tecnologia e que, sem dúvida nenhuma, produziria aumentos significativos de eficiência e eficácia.
Os pontos principais das mudanças eram o "resizing" e o "turn-around" e, sem dúvida, os brasileiros humilhariam os japoneses.

O resultado foi catastrófico, e a equipe brasileira chegou à meta três horas depois dos japoneses.

As conclusões revelaram dados aterradores:

1) Mantendo a sua TRADIÇÃO MILENAR, a equipe japonesa era formada por um Chefe de Equipe e 10 remadores;
2) A equipe brasileira, por sua vez, utilizou uma formação vanguardista, integrada por:

* Um Chefe de Equipe
* Dois Auditores de Qualidade Total
* Um Assessor especializado em "Empowerment"
* Um Supervisor de "Downsizing"
* Um Analista de Procedimentos
* Um Tecnologista
* Um "Controller"
* Um Chefe de Departamento
* Um Controlador de Tempo
* Um remador

Depois de vários dias de reunião e análise da situação, o Comitê decidiu castigar o remador e, para isto, aboliu "todos os benefícios e incentivos em função do fracasso alcançado". Na reunião de encerramento, o Comitê, fortalecido com a presença dos principais acionistas, decidiu:
"Vamos contratar um novo remador, mas utilizando um contrato de Prestação de Serviços de Terceiros, sem vínculos trabalhistas, para não termos que lidar com o sindicato que, sem dúvida nenhuma, degradam a eficiência e a produtividade dos recursos humanos".


Boa reflexão!

2 comentários:

  1. Pedro Rossini Sardelich 1A11 de maio de 2011 15:50

    Professor, amanhã na apresentação de laboratório é só apresentar né ? ou precisa entregar algo escrito ?

    abs

    ResponderExcluir